Cabo Verde

band_cabo_verde.jpg

São Vicente / Mindelo

bras_mindelo.jpg
Área
67 km2
População
76 107 habitantes (Censo 2010)
Clima
Tropical seco, rondando os 24 °C de temperatura média do ar. A temperatura da água do mar oscila, durante o ano, entre os 12 °C e os 25 °C. Há duas estações: de Novembro a Julho decorre a estação seca e é quando sopram os ventos alísios; de Agosto a Outubro é a "estação das chuvas", embora a precipitação seja na realidade baixa.
Recursos Económicos
A economia da ilha sempre se baseou quase exclusivamente no comércio e nos serviços.

Elementos Institucionais

Adesão à UCCLA
2000
Aniversário
14 de abril
Presidente da Câmara Municipal
Augusto César Lima Neves
Morada
Câmara Municipal de São Vicente
Praça Pidjiguiti - Mindelo
Caixa Postal 25 - São Vicente

República de Cabo Verde
Email
cmsv@cvtelecom.cv

Breve História

Em 1830 o primeiro ministro de Portugal, Marquês Sá da Bandeira, decretou que a povoação da Baía do Porto Grande, na ilha de São Vicente, recebesse o nome de Mindelo, evocando o nome da praia portuguesa com o mesmo nome, onde desembarcaram as tropas do Rei D. Pedro IV. Ao mesmo tempo, foi apresentado um “plano de edificação da urbe”, que é considerado o momento da fundação da cidade.

Fundada formalmente em 1830, na sequência da apresentação do “plano de edificação da urbe”, a cidade do Mindelo, na ilha de São Vicente, é a segunda maior cidade de Cabo Verde. Considerada a capital cultural do país – em Assembleia Geral da UCCLA a cidade foi designada Capital Lusófona da Cultura em 2002/2003 –, multiplicam-se no Mindelo atividades e manifestações ligadas ao mundo das artes. A cidade é berço de escritores, autores, compositores e intérpretes da música cabo-verdiana, hoje conhecida e apreciada em todo o Mundo. Cesária Évora, a “diva dos pés descalços”, nasceu no Mindelo.

Cidade hospitaleira – diz-se que a morabeza nasceu aqui e aqui continua a viver –, urbanisticamente cuidada, com um património histórico bem preservado e uma vida social intensa, o Mindelo possui também um ambiente cosmopolita graças ao seu porto de águas profundas, o Porto Grande, que serve de escala transatlântica para navios de todas as nacionalidades, sendo uma das mais importantes infraestruturas do país.

O Mindelo tem investido decididamente, e desde há muito, na área da educação, e conta hoje com inúmeros estabelecimentos de ensino, desde o pré-escolar, ao básico integrado e ao secundário; de facto, é a ilha que possui a maior proporção de pessoas com escolaridade de nível superior, para o que contribuem, entre outros, o Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar (ISECMAR), estatal, o Instituto Superior de Ciências Económicas e Empresariais (ISCEE) e o Instituto de Estudos Superiores Isidoro da Graça (IESIG).

Mindelo é o resultado de duas grandes influências, a colonial portuguesa e a britânica, denunciadas ao virar de cada esquina nos seus arruamentos e na arquitetura dos seus belos edifícios. Destacam-se o Palácio do Governador, a Câmara Municipal, a Pracinha da Igreja – o berço da cidade, a partir da qual foram construídas as primeiras casas e traçadas as primeiras ruas –, a Avenida Marginal – com a réplica da Torre de Belém de Lisboa –, o Fortim d'el-Rei – a construção mais antiga existente em Mindelo e com uma soberba vista panorâmica sobre a cidade e a baía –, a Alfândega Velha – hoje Centro Nacional de Artesanato, único local instituído como guardião dos riquíssimos testemunhos da arte cabo-verdiana.

A cidade tem uma vida noturna fervilhante. O ponto de encontro para a ronda de bares e discotecas é a Praça Nova de onde se parte para descobrir a riqueza e diversidade da música cabo-verdiana com mornas, coladeras, funanás e kizombas. Um dos pontos altos da animação da cidade é o Carnaval de Mindelo que ocorre na mesma data do Carnaval brasileiro e europeu. Perto de Mindelo realiza-se anualmente o famoso Festival de Música da Baía das Gatas.

Atualmente, o comércio, os serviços prestados a navegação marítima, a reparação de navios e o abastecimento de combustível continuam a constituir as bases do desenvolvimento económico de São Vicente. O Porto Grande, atualmente remodelado, vem devolver ao arquipélago a sua importância nas rotas marítimas através do Atlântico, facilitando o transporte de cargas através do Oceano, permitindo uma dinâmica articulação com o exterior, favorecendo, deste modo, o desenvolvimento da indústria ligeira na ilha.