Universidades de sete países lusófonos juntas para oferecer ensino à distância

Universidades de sete países lusófonos juntas para oferecer ensino à distância

Universidades de sete países lusófonos juntaram-se na primeira associação de educação à distância, com o objetivo de promover a inclusão através do ensino e criar uma oferta educativa conjunta.
 
A Associação de Educação à Distância dos Países de Língua Portuguesa, criada pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), integra a Universidade Aberta (Portugal), Universidade Agostinho Neto (Angola), Universidade de São Paulo (Brasil), Universidade de Cabo Verde, Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique), Universidade de São Tomé e Príncipe e Universidade Nacional de Timor-Lorosae.
 
O lançamento desta associação inseriu-se nas comemorações do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP, que se assinalou a 5 de maio.
 
«O grande objetivo da associação passa por promover a língua portuguesa como língua de conhecimento, inovação e de valor na sociedade digital, através da educação à distância, que é um fator de inclusão social e é, cada vez mais, um meio para ultrapassar as barreiras ao acesso ao ensino», afirmou o reitor da Universidade Aberta, Paulo Dias.
 
Com a associação criada, as instituições de ensino vão poder «trocar experiências e criar uma oferta educativa conjunta, envolvendo as várias universidades dos diferentes países, que seja capaz de servir a comunidade de falantes de português no mundo». 
 
 
 
 
 
 
 
Publicado em 09-05-2018