Lançamento e apresentação de nova fase da Biblioteca Digital Macau/China

Lançamento e apresentação de nova fase da Biblioteca Digital Macau/China

Decorreu, no dia 13 de dezembro, na Biblioteca Nacional de Portugal, a cerimónia de lançamento e apresentação da 3.ª fase da Biblioteca Digital Macau/China, organizada pelo Observatório da China em parceria com a Biblioteca Nacional de Portugal, com o apoio da UCCLA e patrocínio da Fundação Macau.
 
Rui Lourido, presidente do Observatório da China, destacou a utilidade e pertinência da Biblioteca Digital para a investigação científica e o conhecimento da história da China.
 
A presidente da Fundação Macau, Wu Zhiliang, enalteceu o “enorme valor cultural num momento de aprofundamento das relações entre a China e Portugal”, numa declaração lida por Fernando António Batista Pereira, presidente da mesa da Assembleia Geral do Observatório da China e do Conselho Científico da Faculdade de Belas Artes.  
 
O projeto foi, ainda, apresentado por Helena Patrício, da Biblioteca Nacional de Portugal, de forma interativa e diretamente através do portal digital, com uma demonstração a explicitar todas as funcionalidades e opções de pesquisa para uma investigação detalhada. O site pode já ser consultado em três línguas diferentes – português, mandarim, inglês - e, está em preparação a 4.ª fase a ser desenvolvida em 2019, já com a introdução da língua francesa.
 
Atualmente a Biblioteca Digital disponibiliza mais de 170 mil páginas, acessíveis gratuitamente através da ligação à internet, de manuscritos completos, publicações periódicas, cartografias e, recentemente, edições críticas, acompanhando o património cultural e histórico do século XVI ao XX. Esta plataforma permite a consulta por parte de estudantes e instituições universitárias - asiáticas, europeias, americanas e africanas - para desenvolverem os seus trabalhos de pesquisa com mais comodidade e acessibilidade.
 
A Biblioteca Digital Macau/China promove a divulgação e o estudo do património histórico e intelectual sobre Macau, cuja ligação privilegiada entre o Oriente e o Ocidente, permite aprofundar os laços históricos e culturais não só sino-portugueses mas também lusófonos, já que as obras incluídas possuem também narrativas e elementos importantes para a história de África, do Brasil e do Oriente em geral.
 
 
 
 
Publicado em 15-12-2018