Dia de África

Dia de África

O dia 25 de maio é considerado o Dia de África porque foi neste dia, em 1963, que se criou a Organização de Unidade Africana (OUA), em Addis Abeba, na Etiópia, com o objetivo de defender e emancipar o continente africano. Em 1972, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 25 de maio como o Dia da África ou o Dia da Libertação da África. Em 2002 a OUA foi substituída pela União Africana (UA) mas a celebração da data manteve-se.

Este dia recorda a luta pela independência do continente africano, contra a colonização europeia e contra o regime do Apartheid, assim como simboliza o desejo de um continente mais unido, organizado, desenvolvido e livre.

A data é celebrada em vários países de África e pelos africanos espalhados pelo mundo

 


Texto do Secretário-Geral da UCCLA, Vitor Ramalho:

A 25 de maio tem lugar a evocação por todo o mundo e particularmente pelo continente africano do Dia de África.

A efeméride está associada à data em que foi criada a OUA- Organização de Unidade Africana, em 1963, hoje UA-União Africana.

É útil termos presente que, nesse, ano o mundo estava dividido em dois blocos antagónicos, desenrolando-se uma guerra fria na Europa que veio a dar lugar à construção do muro de Berlim, enquanto em África se passaram a desenvolver guerras quentes por interpostos agentes.

O primeiro país da África negra a descolonizar foi o Gana com o Presidente  Kwame N´Krumah.

O facto do início dos processos de descolonização em África terem ocorrido sob o pano de fundo de um mundo dividido e influenciado por potências antagónicas, USA e ex URSS, cedo conduziu ao exacerbamento de conflitos no continente africano apesar do apelo dos líderes africanos à unidade dele.

Durante um longo período essa conflitualidade persistiu, de par com o ciclo vicioso da pobreza, de tal forma que as próprias independências dos países de língua oficial portuguesa com o consequente reconhecimento da potência colonizadora, Portugal, só foram possíveis em 1975 após a mudança do regime politico determinado pela revolução de 25 de Abril de 1974.

Mais tarde foram criadas condições para o desmantelamento do regime do apartheid na África do Sul, para a independência da Namíbia e para a criação de um regime de maioria no Zimbabwe e com a implosão de um dos polos da bipolaridade, no caso da ex URSS, a generalidade dos países africanos passaram a realizar eleições livres na base do princípio de que a um homem corresponde um voto.

Como é sabido a queda da bipolaridade deu causa à globalização, incentivando ao livre comércio multilateral e à  livre circulação de pessoas e bens, institucionalizando numa primeira fase a unipolaridade, que evoluiu para a multilateralidade, que é a que estamos a viver, sob a recomposição de uma nova realidade geoestratégica e geopolítica.

Infelizmente muitos dos males que não possibilitaram o rompimento do ciclo vicioso da pobreza em África logo após as independências persistem, nomeadamente a fraquíssima poupança indispensável ao investimento, a corrupção, a ausência de planeamento inclusive o familiar, para não falar na radicalização de certas religiões ecuménicas e os seus efeitos, bem como as debilidades de outras respostas estratégicas no plano da diversificação das economias.

O combate à Covid-19 tem vindo a vulnerabilizar ainda mais os recursos necessários em África ao reforço a um novo modelo de desenvolvimento, razão bastante para que se devam multiplicar os bons exemplos da boa governação, que felizmente existem em alguns países africanos, salvaguardando os direitos humanos, o que não prejudica que o apelo do Secretário-geral da ONU, António Guterres, quanto ao perdão da dívida não assuma por isso, e agora, uma enorme importância.

A UCCLA tem aproveitado o confinamento causado pela Covid-19 para, nas suas plataformas sociais, promover inúmeros novos eventos culturais, de proximidade com os munícipes das cidades nossas associadas, para além de divulgar no final de cada semana a dimensão da pandemia em cada um dos países dessas cidades, atingidos por ela.

Sentimos ser uma obrigação cívica indeclinável de contribuirmos, cada vez mais, para a divulgação desses eventos, com expressão inovadora na música, nas letras, na saúde e na economia e, por esta via, aprofundarmos cada vez mais as relações de cidadania com os cidadãos de um continente com futuro e de futuro, que é África.

Estas ações não são também alheias ao Dia de África que, devendo ser vivido todos os dias, é simbolicamente assinalado a 25 de maio.

 

 

 

Publicado em 23-05-2020