Prémio Literário UCCLA - Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa
Decorrem até ao dia 31 de março de 2016, as candidaturas ao Prémio Literário UCCLA “Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa” – cuja apresentação teve lugar no 7 de julho, no Palácio Foz, em Lisboa, Portugal.
 
    

 
O Prémio Literário UCCLA - iniciativa conjunta da UCCLA, Movimento 2014 e Editora A Bela e o Monstro – destina-se a promover e divulgar a literatura em língua portuguesa e tem como objetivo estimular a produção de obras literárias em língua portuguesa por novos escritores.
 
Vitor Ramalho relembrou o trabalho que tem sido feito, desde há cerca de 5 anos, em prol da valorização da língua portuguesa, nomeadamente com a realização dos Encontros de Escritores de Língua Portuguesa em diversos locais (já realizados em Natal, Brasil, e Luanda, Angola), e com a presença de escritores representativos dos vários países, adiantando que “a criação deste prémio corresponde ao alargamento da base de intervenção dos países de língua oficial portuguesa” – que tem como objetivo premiar o mérito dos escritores de língua portuguesa.
 
        
 
 
No final da sua intervenção, o Secretário-Geral enalteceu Maria Barroso (falecida no dia 7 de julho), antiga primeira-dama de Portugal, como “uma mulher exemplar, a todos os níveis” homenageando-a com a leitura de um soneto de Sidónio Muralha intitulado “Soneto Imperfeito da Caminhada Perfeita”. 
 
José Ribeiro e Castro, do Movimento 2014, recordando os 800 anos da língua portuguesa e o testamento de D. Afonso II (datado de 1214) como o documento mais antigo escrito em língua portuguesa, afirmou que este prémio é uma “forma simples de assinalar esse futuro (da língua portuguesa) através da seleção de novos talentos e dando a conhecer novas obras”.
 
“Será um grande acontecimento dar vida a este prémio, contando com o dinamismo de João Pinto de Sousa e com o lado institucional da UCCLA” disse José Ribeiro e Castro relembrando que a UCCLA é “uma instituição percursora do espaço da CPLP. A primeira CPLP foi a UCCLA… foi a visão do então presidente Abecasis, a partir da Câmara de Lisboa, que lançou esse abraço entre cidades que foi crescendo e ainda hoje é uma instituição magna, uma instituição de referência muito bem conduzida pelo Dr. Vitor Ramalho”. 
 
  
 
 
José Ribeiro e Castro deixou, ainda, a ideia de este Prémio Literário UCCLA ser designado de Maria Barroso, por se tratar de uma “mulher da literatura, da língua portuguesa, uma mulher do teatro, da poesia” e para ser uma “figura de referência de um prémio da nossa cultura”.
 
João Pinto de Sousa realçou que este prémio tem a capacidade de “chegar a muitos e ter este deslumbramento de permitir que, talvez, muitos possam concretizar sonhos que, de alguma forma, é disso que se trata”. 
 
Para o responsável a ideia de se associar a este projeto residiu, por um lado, o envolvimento do Movimento dos 800 anos da Língua Portuguesa e da dinâmica de juntar 24 jornais de língua portuguesa e da forma como “chegam às pessoas” e, por outro, com a UCCLA pela sua “dinâmica de rede dos países de língua oficial portuguesa veio juntar dois ativos… criar a dinâmica que pretendemos e criar a divulgação que pretendemos”.
 
Inocência Mata - Doutorada em Letras e com pós-doutoramento em Estudos Pós-coloniais, é professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa na área de Literaturas, Artes e Culturas e, atualmente, é a Diretora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Português Língua Estrangeira/Língua Segunda - em representação do júri, apresentou todo os membros que o compõem.
 
 
 
A apresentação do prémio contou com a presença do Secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar, João Casanova de Almeida, e de representantes das Embaixadas de Timor-Leste e Guiné-Bissau.
 
 
O regulamento, produzido pelas entidades organizadoras deste prémio, foi assinado pelos seus signatários, a saber Vitor Ramalho, Secretário-Geral da UCCLA, José Ribeiro e Castro, Movimento 2014, João Pinto de Sousa e Maria João Ribeiro, da Editora A Bela e o Monstro.
 
A participação neste prémio deverá ser feita até às 24 horas do dia 31 de janeiro de 2016. São admitidas candidaturas de concorrentes que sejam pessoas singulares, de qualquer nacionalidade, fluentes na língua portuguesa, com idade não inferior a 16 anos. No caso dos menores de 18 anos, a atribuição de prémios ficará sujeita à entrega de declaração de aceitação pelos respetivos titulares do poder paternal. 
 
 
 
Constituição do Júri:
António Carlos Secchin, Brasil
Germano de Almeida, Cabo Verde
Inocência Mata, São Tomé e Príncipe 
Isabel Pires de Lima, Portugal
José Luís Mendonça, Angola
José Pires Laranjeira, Portugal
José Augusto Bernardes, Portugal - Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra
 
 
Publicado em 07-07-2015